11 de out de 2016

[Artigo] Nossa Senhora Aparecida, Surpresa da Misericórdia Divina

Pe. Rafhael Silva Maciel
Reitor do Seminário Propedêutico de Fortaleza
Missionário da Misericórdia

Celebramos com muita alegria a festa da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Celebramos a festa de uma Mãe de ternura e de misericórdia. Sim, porque o encontro da imagem da Virgem Maria nas águas do Rio Paraíba, que se deu em duas ocasiões, é o encontro de um povo com algo proveniente do mistério de Deus.


Aqueles pobres pescadores estavam em busca do seu sustento; estavam no trabalho que não produzia o quanto eles desejavam ou pelo menos o que eles necessitavam. O Papa Francisco falando sobre Aparecida diz que “no início do evento que é Aparecida, está a busca dos pescadores pobres. Tanta fome e poucos recursos. (...) Possuem um barco frágil, inadequado; têm redes decadentes, talvez mesmo danificadas, insuficientes. Primeiro, há a labuta, talvez o cansaço, pela pesca, mas o resultado é escasso: um falimento, um insucesso. Apesar dos esforços, as redes estão vazias” (Discurso, 27/07/2013, Rio de Janeiro).

Celebramos com muita alegria a festa da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Celebramos a festa de uma Mãe de ternura e de misericórdia. Sim, porque o encontro da imagem da Virgem Maria nas águas do Rio Paraíba, que se deu em duas ocasiões, é o encontro de um povo com algo proveniente do mistério de Deus.

Aqueles pobres pescadores estavam em busca do seu sustento; estavam no trabalho que não produzia o quanto eles desejavam ou pelo menos o que eles necessitavam. O Papa Francisco falando sobre Aparecida diz que “no início do evento que é Aparecida, está a busca dos pescadores pobres. Tanta fome e poucos recursos. (...) Possuem um barco frágil, inadequado; têm redes decadentes, talvez mesmo danificadas, insuficientes. Primeiro, há a labuta, talvez o cansaço, pela pesca, mas o resultado é escasso: um falimento, um insucesso. Apesar dos esforços, as redes estão vazias” (Discurso, 27/07/2013, Rio de Janeiro).

O achado da Imagem de Aparecida segue a lógica do mistério da Encarnação do Verbo: Ele vem ao nosso encontro, ele vem em direção aos sofrimentos do seu povo (Jo 1,14; Fl 2,6-7). Nas águas do Paraíba, veio com sua Mãe, como foi às Bodas de Caná e ali realiza o milagre. Por isso Aparecida é manifestação da presença divina; como diz o Papa Francisco, Aparecida é criatividade do Amor de Deus que de algum modo quer mostra-se próximo do seu povo.

Que meio de estar mais próximo e com a ternura que o povo precisa pode ser mais doce e misericordioso do que o simbolismo da mãe que coloca o filho no colo e acalma suas angústias. Por isso, a Mãe Aparecida, em sua festa, lembra-nos que é preciso, assim como seu Filho Jesus Cristo, sairmos de nós mesmos e irmos ao encontro dos irmãos, dos mais necessitados.

E nesse encontro sermos para eles uma surpresa de Deus. Surpresa de Deus que se manifestará na graça de Deus agindo em nós e por nós, surpresa de Deus que se manifestará na simplicidade do encontro, na simplicidade do modo de estar com os outros – como reconheceu Isabel na visita de Maria (Lc 1,39ss). Ainda a surpresa de Deus se manifestará quando encontrarmos com aqueles que o próprio Senhor colocar em nosso caminho, sem que esperássemos.

A festa de Nossa Senhora Aparecida quer lembrar para todos nós que é necessário sair de nossas comodidades e ir ao encontro; sair de nossas certezas para o desconhecido das águas desse mundo pelas quais o Senhor nos faz navegar. Aparecida torna-se, então, sinônimo de SAÍDA DE SÍ, torna-se antônimo de EGOÍSMO. Com Maria, “a Igreja se sente discípula e missionária desse Amor : missionária somente enquanto discípula, isto é capaz de deixar-se sempre atrair, com renovado enlevo, por Deus que nos amou e nos ama por primeiro (1Jo 4,10)”
(Bento XVI, Homilia, 13/05/2007, Aparecida, SP).

Assim sendo, que a Virgem Mãe Aparecida faça de nós imagens da surpresa de Deus, como foi ela mesma foi surpresa de Deus para o povo brasileiro no Rio Paraíba.

Fonte: Projeto Igreja em Saída 

0 comentários:

Postar um comentário

Fique ligado - Jubileu 16