28 de fev de 2012

A vocação é também sacrifício.

Em sua penúltima Mensagem para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações (1977) o papa Paulo VI recordava o lugar fundamental da fé e do amor na resposta ao chamado divino. Percebemos aí um ato heroico de todo indivíduo convidado a perder sua vida por amor ao seu próximo. Somente a fé e o amor são capazes de levar a pessoa a abraçar os sacrifícios e a necessária renúncia para uma resposta generosa ao chamado proposto por Deus. Paulo VI  afirma categoricamente que “a vocação é também sacrifício”. Sacrifício este que passa do mais simples que é o sair do convívio dos pais ao mais complexo que é o permitir que Deus se faça vontade no lugar das próprias vontades pessoais, de esquecer-se de si próprio para que aqueles que estão esquecidos sejam lembrados. Um sacrifício que já nasce nos momentos de inquietação de cada coração daqueles que sentem a vontade de se doar mais para Deus, e não percebem qual caminho seria esse. Esse caminho de cruz e verdadeira ressurreição se predispõe a todos aqueles que por um estado de “loucura”, isso mesmo: de loucura, pois só sendo muito louco por Deus para poder deixar o mundo e todas as suas insinuantes atrações que inebriam os corações perturbados dos jovens de hoje, e mesmo assim dizem o seu SIM generoso e sem igual para a vida consagrada dentro de sua Igreja. Lembro-me das palavras de Bento XVI: "Não tenhas medo, Cristo não vos tira nada Ele vos dá tudo!" Podemos perceber o belo encorajamento de nosso pastor que com seu exemplo de vida nos mostra o caminho para a liberdade que só de Cristo provém. Que essa santa afirmação impulsione a você jovem a sair de sua casa rumo ao encontro da vontade de Deus, que esta presente no mundo, em cada rosto sofrido, em cada mesa sem pão, em cada coração petrificado por ver tão poucos profetas segundo o coração do Senhor. Que Ele faça nascer em você uma santa inquietação para a busca do verdadeiro Saber e do verdadeiro Encontro com Deus nos seus irmãos. Doar a vida é sem duvida um ato de muita fé e principalmente um ato de amor para com o mundo que necessita de homens amantes de sua Igreja e de seu Deus, que os faz mais perfeitos a cada passo dado ao Seu encontro. Que nessa Quaresma o bom Deus desperte em você o amor-doação. Santa e abençoada Quaresma.

Paz e bem!
Seminarista Thiago Cavalcante de Sousa
1º ano de Filosofia da Arquidiocese de Fortaleza.

Um comentário:

  1. Nossa, que lindo! Tocou muito o meu coração quanto ao amor doação! Obrigado! Edson Colaço

    ResponderExcluir

Fique ligado - Jubileu 16