11 de nov de 2014

Papa destaca três pontos fundamentais para todo seminarista

Em mensagem enviada aos seminaristas, Papa Francisco esclarece três pontos sobre os quais todo futuro padre deve refletir para colocá-los em prática

Da redação, com news.va


O sacerdócio não é um ministério a ser vivido solitário e tampouco de modo individualista, afirmou o Papa Francisco em mensagem ao seminaristas franceses, que iniciaram, no sábado, 8, uma peregrinação a Lourdes.

Na mensagem divulgada, nesta segunda-feira, 10, pela Sala de Imprensa da Santa Sé, o Santo Padre esclarece os três pontos fundamentais sobre os quais todo futuro presbítero deve refletir para poder traduzi-los na prática.

O primeiro diz respeito à “fraternidade”. A fraternidade dos discípulos “expressa a unidade dos corações, é parte integrante do chamado que vocês receberam”, afirma o Papa, que acrescenta logo em seguida: “O ministério sacerdotal não pode, de modo algum, ser individual e tampouco individualista”.

No seminário, escreve o Pontífice, “vocês vivem juntos para aprender a se conhecerem, a estimar-se, a ajudar-se, por vezes também suportar-se”, por isso – frisa –, “convido-os a aceitar este aprendizado da fraternidade com todo o ardor de vocês”.

Segundo ponto: a “oração”. A imagem evocada é a do Cenáculo, onde os discípulos rezam com Maria à espera do Espírito Santo. Disso, se deduz que na base da formação de vocês, ressalta o Papa Francisco, “está a Palavra de Deus, que chega ao íntimo de vocês, os alimenta e ilumina”.

Portanto, aconselha o Papa aos seminaristas, tenham “todos os dias longas horas de oração” e “deixem que a oração de vocês seja um convite ao Espírito”, do qual depende a construção da Igreja, o guia dos discípulos e o dom da “caridade pastoral”. Desse modo, assegura o Pontífice, indo àqueles aos quais são convidados, poderão ser aqueles “homens de Deus” que o povo quer que os sacerdotes sejam.

Por fim, o terceiro ponto, a “missão”. Os anos de seminário, indica o Papa Francisco, não são senão uma preparação com o “único objetivo” de tornar-se discípulos “humildes” capazes de “preferência pelas pessoas mais marginalizadas”, aquelas das “periferias”.

“A missão é inseparável da oração, porque esta abre ao Espírito e o Espírito os guiará na missão. E a missão – escreve ainda o Papa –, cuja alma é o amor, é a de levar aqueles que encontrarão a acolher a ternura” de Cristo, mediante os Sacramentos.

Confira o vídeo-resumo do último dia dessa peregrinação, disponibilizado pelo Santuário de Lourdes

0 comentários:

Postar um comentário

Fique ligado - Jubileu 16